Hipnose Clínica

A Hipnoterapia traduz-se num método psicológico, não convencional, que está indicado para patologias psicossomáticas e do foro psicológico.

A American Psychological Association (APA) define a hipnose como um procedimento durante o qual o terapeuta sugere que o indivíduo experimente mudanças de sensações, percepções, pensamentos ou comportamentos. Para Milton Erickson, a hipnose é um estado alterado de consciência, ou seja, é um estado de consciência no qual o conhecimento adquirido durante a vida torna-se, de repente, disponível.

“A Hipnose Moderna é hoje o maior avanço da psiquiatria: actua no campo terapêutico.” Organização mundial de saúde / 1974

“A hipnose é um auxílio terapêutico valioso. É uma prática segura, sem efeitos colaterais.” Associação Médica Americana / 1958

“Reconhece-se o valor da hipnose como auxiliar na pesquisa, diagnostico e terapêuticas tanto na psiquiatria como em outras áreas da prática médica.” Associação Psiquiátrica Americana / 1961

"A mente inconsciente é um instrumento terapêutico de auto-cura, incrivelmente poderoso." Dr. Milton Erickson / 1980

MITOS

1. Mito da inconsciência
Estar hipnotizado não significa estar inconsciente. Na verdade, o transe hipnótico é caracterizado por uma dissociação consciente/inconsciente onde a consciência está presente, e é desejável que esteja, para participar no processo de cura.

2. Mito de confessar segredos
Mesmo em transe profundo a mente conserva o sentido de vigilância. Na Hipnose Ericksoniana, o indivíduo praticamente não fala. Pode sim, ocorrer a hipermnésia, ou seja, a lembraça vivida de um facto esquecido. Assim, a hipnose pode auxiliar o indivíduo a dizer o que ele necessita dizer, mas não pode forçá-lo a tal se o indivíduo não tiver vontade de fazê-lo. 
O inconsciente é capaz de resolver silenciosamente os conflitos mais profundos.

3. Mito de não voltar do transe
Se, eventualmente, por estar numa experiência muito agradável ou num transe mais profundo, o indivíduo não aceitar a sugestão de voltar do transe, basta deixá-lo mais algum tempo e, naturalmente, o transe hipnótico transforma-se em sono fisiológico.

4. Mito do domínio do Hipnoterapeuta
Na Hipnose Ericksoniana o estado de transe é sempre uma auto-hipnose. O Hipnoterapeuta é um facilitador, um companheiro de viagem, apenas alguém que está ao lado enquanto o inconsciente do indivíduo trabalha.

5.Mito da dependência
Um bom Hipnoterapeuta tem sempre o cuidado de dar sugestões pós-hipnóticas de autonomia e liberdade.

6.Mito da Regressão/Progressão
A Hipnose não é só regressão. A regressão é uma das importantes ferramentas utilizadas na Hipnoterapia.

7.Quem pode usufruir da Hipnoterapia?
Teoricamente, todas as pessoas.

8.Há perigo na Hipnose?
A hipnose exige formação profissional e habilitações científicas próprias para lidar com a psicoterapia. 

 

Indicações:

  • Depressão
  • Pânico / Quadros de Ansiedade
  • Dificuldades de Aprendizagem
  • Transtorno Obsessivo/Compulsivo
  • Stress Pós-Traumático
  • Distúrbios do Comportamento alimentar (Anorexia Nervosa, Bulimia)
  • Stress
  • Fobia Social e Específica
  • Timidez
  • Frigidez
  • Impotência
  • Controlo da Dor
  • Maus Hábitos (Tabagismo, Alcoolismo)
  • Obesidade
  • Baixa Auto-Estima
  • Problemas de memória
  • Medo de Falar em Público
  • Distúrbios de Sono / Insónia
  • Melhoria na prática desportiva
  • Melhoria no desempenho escolar